SORRI-BAURU e UNESP participam de parceria entre Brasil e Noruega


A SORRI-BAURU por meio de parceria com a UNESP Bauru participa de convênio com a Faculdade Universitária de Ciências Aplicadas de Oslo e Akershus (HiOA) na Noruega. O foco desta parceria é aprimorar a engenharia e design de tecnologia assistiva, possibilitando uma melhor qualidade de vida à pessoa com deficiência.

A HiOA colabora com a UNESP e a SORRI-BAURU em ergonomia, reabilitação, interação homem-máquina, projeto colaborativo e prototipagem rápida. O Centro Norueguês para a Cooperação Internacional em Educação (SIU) concedeu NOK 2 milhões (moeda norueguesa), equivalentes à R$732.000,00, para o projeto.

Para a Noruega, o Brasil é um parceiro muito interessante nestas colaborações por causa de interesses em comum em assuntos comerciais e de bem-estar, e porque possui fortes instituições educacionais e uma cultura interessante que gera interesse e entusiasmo entre acadêmicos e estudantes na Noruega, como a HiOA escreveu na sua proposta para o projeto.

"Trata-se da Noruega buscando manter e fortalecer seus laços com o Brasil. Os dois países já se empenharam numa ampla cooperação econômica, especialmente no que se refere à madeira e ao petróleo, por isso existem estratégias de cooperação e a educação é parte de sua implementação", explica o coordenador do projeto e professor Frode Eika Sandnes, do Departamento de Ciência da Computação.

"Os dois países já se empenharam numa ampla cooperação econômica, especialmente no que se refere à madeira e ao petróleo, por isso existem estratégias de cooperação e a educação é parte de sua implementação".Se os estudantes noruegueses vão para o Brasil e os estudantes brasileiros vêm para a Noruega, e eles conhecem a cultura e a língua do outro, eles podem se tornar defensores das áreas de atuação a que estão afiliados".

Profº. Frode Eika Sandnes

A SIU anunciou há quase dois anos um convite à apresentação de candidaturas para financiamento no âmbito do Programa de Parceria UTFORSK. A HiOA preparou uma viagem ao Brasil para identificar oportunidades e encontrou um parceiro potencial em Bauru, na Universidade de São Paulo.

"Os recursos UTFORSK são de prestígio, e nós decidimos nos involver. Convidamos dois professores brasileiros para Oslo para juntarem-se a nós no processo de inscrição.

A HiOA foi uma entre três candidatas que obtiveram financiamento para colaboração com o Brasil e o seminário de lançamento do projeto de quatro anos ocorreu em janeiro, também no Brasil.

"A metade será gasta em apoiar estudantes do Brasil que querem vir até nós, e o restante é alocado para colaboração e mobilidade de professores. Vamos criar cursos juntos, ensinar uns aos outros e se envolver em intercâmbios. Nós também nos conheceremos melhor, porque eles serão nossos parceiros estratégicos. Quem representará a HiOA é principalmente o Departamento de Design de Produto e o Departamento de Ciência da Computação, mas também estamos tentando obter a participação do Ciências da Saúde."

Diz algo sobre o prestígio associado à colaboração o fato que o Príncipe Herdeiro Håkon visitou o Brasil logo após a primeira visita do HiOA, com uma delegação que incluiu o Decano da Faculdade de Tecnologia, Arte e Design, em confirmação que a Noruega contribuirá com sua presença. No ano passado, o ministro da Educação e Pesquisa também visitou o Brasil junto com um grupo de reitores, incluindo a vice-reitor Nina Waaler da HiOA.

"Nosso projeto trata de como a capacidade funcional é reduzida à medida que a pessoa envelhece. A tecnologia pode ser desenvolvida que ajuda as pessoas a viver de forma independente e lidar por si próprias, tanto quanto possível, e nisso o design e engenharia são fatores importantes.”

"O número de idosos está aumentando e a taxa de natalidade está diminuindo. Isto coloca mais pressão sobre aqueles que devem elevar o padrão dos esquemas de bem-estar, e o desenvolvimento de soluções técnicas pode ser muito útil neste contexto. Isso também significa menos pressão sobre o serviço de saúde e uma vida mais digna para os idosos."

"Os estudantes podem ajudar a criar soluções, e trabalhar nisso através das culturas é muito interessante, porque o Brasil, a Noruega e muitos outros países enfrentam os mesmos problemas".


As diferenças culturais também tornam o projeto divertido.

"Por exemplo, os brasileiros ficaram surpresos ao ver pessoas idosas ao ar livre na Noruega com andadores, algo raramente visto no Brasil. Lá, os idosos ficam em casa e nunca saem. As ruas são para os carros. Mas é muito bom para a sua saúde ser capaz de andar com um andador.

"Especialistas no Brasil e na Noruega têm conhecimentos muito diferentes. Eles (os brasileiros) são bons em ergonomia, por exemplo, onde nossa competência é menor, enquanto nós somos bons em design universal e design em geral."

Brasil têm competências únicas em prototipagem rápida, por exemplo, fazendo próteses usando a impressão 3D e fresagem.

"Quando você combina a fresa cnc com impressão 3D, você pode usar materiais diferentes para fazer objetos interessantes a um custo baixo. Isso pode levar a um artigo de qualidade muito melhor e bem adaptado à função."

"Em um subprojeto em que estamos atualmente trabalhando, por exemplo, estamos experimentando um novo tipo de prótese para uma menina que não tem braços".

"Inicialmente, dois mestrandos brasileiros passarão metade do seu tempo no design universal das TIC e metade no design do produto, o que significa que nós os co-orientaremos".

"Este é um novo arranjo, e estamos testando como podemos trabalhar através dos departamentos - em pequena escala para começar, e então vamos ver se funciona", diz Frode Eika Sandnes.

Um grupo do Brasil também estará vindo para a Conferência Internacional sobre a Educação  em Engenharia e Design de Produto em setembro.

Confira o vídeo feito pela TV UNESP sobre esta parceria:

Fonte: https://www.hioa.no/eng/News/Brazilian-Norwegian-self-help-solutions